terça-feira, junho 26, 2007

Orgulhosa


Caso algum leitor deste modesto blog tenha torcido pelas minhas tão estimadas alunas de dança, muito obrigada. Como esperado, minhas pupilas não ganharam, mas faltou 0,5 para conseguir o terceiro lugar. Sim, eu disse 0,5.


Com dois meses de ensaio elas conseguiram boas notas e até elogios dos jurados. Agora estão se sentindo as estrelas do Olindo e já pensando no próximo concurso (não negam que são minhas alunas).


A impolgação delas é tanta que está contagiando outras colegas e só nessa semana temos cinco meninas novas. Fiquem avisados: ano que vem arrasaremos!!!

quinta-feira, junho 21, 2007

Meu coração é forte


Tantas emoções... Essa semana quase me matou. Sorte que meu coração é forte, caso contrário, eu já teria infartado na segunda-feira.


No fim de semana, minha vó nos deu um susto: caiu e quebrou a bacia. Bacia quebrada aos 88 anos não é "mol" (como ela mesma diria). Depois de alguns momentos de histeria da mulherada da família, minha vó passou pela cirurgia na terça de tarde com a incrivel pressão de 13x8 e volta ao lar amanhã.


Como tudo tem que acontecer no mesmo dia, minhas alunas do Grupo Olindo Dança estreiaram na terça-feira. Chorei, gritei, bati palmas e morri de orgulho delas. Dançaram com garra e um sorrisão no rosto. Encararam uma estréia pedreira na maior classe.


Como se não bastasse, ontem tive que apagar um fogo que os terceiros anos criaram no colégio. Debatemos todos os pontos de discórdia, e quase nos debatemos, e fui de porta voz para a direção. Não sei porque eu não me contento só em dar aula.


Mas não é só isso... semana que vem ainda tem o resultado do concurso de literatura. Pobre coração!!!!!!!

quinta-feira, junho 14, 2007

Palavras


Em um conselho de classe, falei despreocupadamente sobre a turma que sou conselheira. Estava dizendo que, em princípio, eu não gostava da turma, que eles eram bagunceiros e tal. Daí um dia nos descobrimos queridos e passamos a nos dar muito bem. Tanto que agora, tenho muito orgulho de ser conselheira deles.


Mas o ponto dessa história foi a minha frase: "Um dia nos descobrimos queridos". Todas as pedagogas e psicopedagogas presentes quase morreram com ela. Anotaram, fizeram comentários e adotaram para o seu repertório de frases poéticas (!?).


Daí me obriguei a ficar pensando no que eu disse. Porque foi sem querer. Eu só quis dizer que descobri que meus alunos são queridos e que gosto deles e eles descobriram que eu sou querida e que gostam de mim.


Não sei se concordo com elas, acho que minha frase é muito simples, sem nenhuma pretensão de ser poética ou pedagógica. Mas esse momento de fama me levou a pensar em outras coisas.


Há quanto tempo não descubro que novas pessoas são queridas? Há quanto tempo não me descubro querida? Há quanto tempo descubro pessoas que eram queridas e deixaram de ser?


Acho que devemos dar mais chances para novas pessoas (e porque não para as velhas pessoas também?) mostrarem que são queridas e que podemos ser também. Devemos abrir nossos olhos e ver que amigos, ou apenas conhecidos que seja, nunca são de mais. Sempre podemos e devemos aumentar o número que pessoas no nosso coração.


Sejam queridos com alguém hoje.

domingo, junho 03, 2007

Novidades, muitas novidades


Apesar de não fazer tanto tempo que não escrevo, tenho muitas coisas pra contar. Tantas que estão correndo dentro da minha cabeça e eu não consigo organiza-las pra escrever.


Por incrível que pareça, o primeiro trimestre já acabou e a loucurama que um fim de trimestre traz está quase sumindo. Essa semana tenho três dias de conselho de classe e dois de feriado. Mas é claro que nem tudo é tão bom: em um dos colégios vou ter que trabalhar na sexta (pelo menos é só durante a tarde).


Depois de ter ataques e ataques de ansiedade por causa do concurso de literatura, descobrimos que o resultado só sai no dia 29 de junho. Pra que facilitar, se podemos tentar matar professores e alunos do coração, né?


As minhas meninas do grupo de dança só andam me dando orgulho. A cada ensaio elas melhoram um pouco e me deixam muito orgulhosa. Com a ajuda de meu super diretor de marketing (meu pai) e minha gerente de marketing (minha prima), conseguimos 25 metros de tecido grátis para fazer as calças, um vereador doou o dinheiro da mão de obra da costureira e ganhamos a metade das camisetas com o nome do grupo da Foto Globo. Agora ninguém vai precisar dançar pelada nesse frio.


Semana passada fui levar meus alunos no Unisinos Experience e, é claro, participei de uma das palestras. Fiquei com uma vontade de voltar a ser universitária para cursar "Formação de escritores e agentes literários". Diferente do que imaginava, o curso tem um currículo bem estruturado e não é só um caça cifras.


Nesse fim de semana tive o prazer de não fazer nada. Fiquei sentada na frente da lareira, fazendo mantas, os temas do ingles e jiboiando. Nada como um final de trimestre.