quinta-feira, maio 02, 2013

Novos tipos de Maria

Desde sempre eu ouvi falar de dois tipos de Maria: a Chuteira e a Gasolina. Nunca conheci uma Maria Chuteira pessoalmente, mas Maria Gasolina já perdi as contas. Já conheci inclusive seu masculino. Seria João Gasolina? Ou José Gasolina? Enfim...

Depois de um tempo, pude observar o surgimento de novas categorias: Maria Palheta, Maria Tatame. Confesso que conheci alguns esportistas dessa área e corri o risco ter sido confundida com uma Maria Tatame profissional.

Hoje em dia, após longa observação científica, descobri uma novíssima categoria que chamei erroneamente de Maria Baseado. Termo equivocado porque esse tipo de Maria está à procura de alguém que possa trocar beijos ou sexo por qualquer tipo de substância alucinógena. Da cerveja ao pó, a Maria Substância (talvez esse seja melhor por sem bem mais abrangente) está disposta a conquistar o cara que for para conseguir seu brilhinho.

Não sou cínica nem puritana. Sei que também faço parte de uma categoria de Maria. Prazer, Maria Rima. Se o cara se achar meio poeta ou se declamar uma única estrofe que seja, já me ganhou. Existem poucos desse tipo e, por isso, migro para outro grupo: Maria Encalhada.