domingo, outubro 21, 2007

Curtas gaúchos


Nunca olho! Não tenho paciência, não vejo nexo, nem algo interessante pra eu parar o meu almoço e assistir o curta da vez. Nesse sábado foi diferente. Nas propagandas durante a semana, vi que o curta falaria de Machado de Assis e só por isso decidi que iria assistir. O que eles fariam com o autor?


Eles fizeram um ótimo curta. O cara acorda um dia e ninguém sabe que Machado de Assis existiu. Ninguém leu nenhum livro dele. Ele não existe nem no google. O cara então cai numa viagem que foi tudo imaginação dele, logo, ele é um gênio por ter imaginado todas aquelas histórias. E nessa ele manda um original de "Memórias póstumas de Brás Cubas" e chega até a Academia Brasileira de Letras, usando o bigode, o cavanhaque e o óculos iguais aos do Machado de Assis.


Por que as pessoas não colocam mais um pouco de literatura na tv? Mas assim como esse curta. De maneira inteligente, original e ... curta. Daí ninguém enche o saco.


Ainda sobre minha área preferida, terminei de ler o livro "O Perfume" do Süskind. Sempre que leio um livro do Stephen King, leio um clááááássico depois (para os deuses da literatura perdoarem minha paixão pelo tão comercial King). Achei "O Perfume" uma ótima escolha e acertei. Já tinha visto o filme e, por incrível que pareça, o filme é tão bom quanto o livro.


Na verdade o filme teve uma coisa melhor. Na cena em que todos enlouquecem ao sentir o perfume do carinha, todos tiram a roupa no meio da praça e se amam enlouquecida e coletivamente. Achei que no livro isso seria descrito em, pelo menos, um capítulo inteiro e o doce Süskind (com o perdão do pleonasmo) usou apenas um parágrafo.


Percebi então porque gosto tanto dos brasileiros. Se o José de Alencar tivesse descrito aquela cena, saberíamos até quanto calçava cada uma das 10.000 pessoas.


domingo, outubro 14, 2007

Nada


Não tenho nada pra escrever, exceto a vontade de escrever. Estou a um certo tempo olhando pra tela e pensando em algo, no mínimo, aceitável pras pessoas lerem, mas nada surgiu. E a vontade de escrever ganhou da falta de criatividade e estou eu aqui me enrolando.


Ontem foi niver do meu pai e aqui em casa tivemos uma orgia gastronômica. Não paro de comer desde ontem de meio dia. Já estou rolando. Festa boa pra conversar com primo querido. Meu primo mais novo e eu passamos horas e horas falando de filmes e livros. Tão bom saber que mais alguém da família se interessa por essas coisas.


Hoje um pouco antes de apodrecer deitada na minha cama, me levantei, tomei um banho e fui sair com a gurias. Fomos pro shopping, sentamos no café, conversamos e comemos (mais um pouco). O problema de sair com algumas amigas minhas, é que eu não tenho vontade de ir embora, queria ficar sempre conversando com elas, na verdade, com ela.


A Nega é viciante e uma santa. Na sexta eu liguei pra ela à uma da manhã e ali ficamos até às duas. Claro que no fim do mês vou ter que vender o corpo pra pagar a conta do celular, mas pra ficar rindo com ela vale a pena. Nesta pequena conversa relembramos nossas bagunças e nossas festas e chegamos a chorar de rir ao telefone. Nessa época do ano, sempre sofremos de uma certa nostalgia dos nossos boooooooooons tempos de juventude, risos.


Bom, fico com a minha enrolação por aqui. Quem sabe nessa semana eu não arrumo algo de útil pra contar pra vocês?


sábado, outubro 13, 2007

Tão calminho agora!!!!!


Nada como um feriado para desacelerar um corpo, um coração, uma mente. Desde a última vez que escrevi aqui no blog, já tive até uma demi-estafa que me fez passar o dia inteirinho na cama, deixando de ir trabalhar e, pasmem, de ir no ballet.

Respirei, pensei e dormi um dia inteiro e já fiquei quase boa de novo. Agora me concentro em organizar um pequeno espetáculo no Olindo. Ando bem positiva, pois acredito que, mais uma vez, conseguirei muita ajuda, mas às vezes me dou conta que é muita coisa e talvez seja maior do que eu.

Além desse feriado me trazer a imensa felicidade por simplesmente ser um feriado, nele reencontrei pessoas do passado e fiquei muito feliz. Coisas normais: no super, comprando sorvete, encontei duas ex-colegas do colégio e foi tão legal!! Incrível como existem pessoas que os anos podem passar, mas elas sempre nos tratam como se nos víssemos todos os dias.

Seguindo lógica nenhuma, lembrei de falar do último filme que vi. Saí do cinema indignada pronta pra ir pras ruas reivindicar um novo governo, uma nova perspectiva, um novo país. Sei que todo mundo já viu "Tropa de elite" no pirata, mas eu fui só pra acompanhar meu amor e acabei adorando. Fiquei indignada, revoltada, insultada enquanto os ignorantes assistiam o filme e riam.

Riam deles mesmo. Aposto que foram eles que votaram no senhor presidente e agora só resta rir pra não chorar. Se não assistiram, assistam. Muito bom meeeeesmo, mas por favor, não riam!! Fiquem indignado, revoltados e insultados e vamos tentar fazer alguma coisa pelo nosso país.