quarta-feira, setembro 07, 2011

Caminhando e calando

Saí andando.


Pensei que seria uma idiota se não saísse caminhando.


Fui caminhando com a única preocupação de saber voltar. Cada quadra, cada banca de revista ou estação do metrô, cada pessoa diferente pareciam me dizer pra continuar a caminhar e olhar.



Passei pelo MASP e pensei nos Andrades, na Anita e nos sapos. Passei por luzes e lugares charmosinhos. Tudo me fez ter vontade de escrever alguma coisa. Escrever sobre a minha mãe, sobre o calor, sobre a noite, sobre o privilégio de estar só.



Até que a voz de uma menina de cabelo rosa e tatuagem de clave de sol concretizou o meu sentimento:



"Sempre que tenho uma boa ideia pra escrever, não tenho nem papel nem caneta".