sábado, novembro 15, 2008

Há 10 anos...



Em 98 dormi pela primeira vez fora de casa, na Alemanha. Com outras nove pessoas fui me aventurar, aos 16 anos, Alemanha a fora. Chegamos num colégio onde todos falavam francês, menos nós e, consequentemente, ficamos um tanto quanto isolados. Mas não durou muito. Conhecemos uma pessoa muito especial e ele fez com que todos aceitassem nossa falta de francês: José, o portugês (como já diria Monique).

Sem o José não teríamos nos divertido tanto, sem o José não teríamos conehcido outras pessoas, sem o José eu não teria percebido a importância de se estudar vários idiomas, sem o José, talvez, hoje eu não falaria três línguas. Depois de um mês de uma amizade instantânea, voltamos cada um pra sua casa, seu país e lembro muito bem que quando o avião desceu em São Paulo eu disse para Monique "Nunca mais nós vamos ver aquelas pessoas".

Mas com 17 anos eu não sabia que pessoas especiais, que mudam tanto a vida da gente, não somem tão fácil. Agora, 10 anos depois, voltei a ver meu querido amigo português. Vindo a trabalho, um homem inteligente e lindo, José chega em Porto Alegre e nos abraçamos como se tivéssemos nos visto um dia antes. Conversamos histericamente das 16h30 à meia noite e quase não conseguimos colocar as novidades em dia.

Meu amigo ainda arrumou um tempo e prestigiou o espetáculo de dança do Grupo Olindo Dança. Como se não bastasse meus alunos dançarem tão bem e fazerem todo o meu esforço valer a pena em apenas 20 minutos, meu querido amigo José me encheu de elogios e a admiração que eu tinha por ele aos 17 anos de idade, voltou pra mim. Dessa vez foi ele quem disse que admira meu esforço e dedicação aos meus alunos e admira o talento e esforço dos meus alunos.

Todos nós poderemos viver 20 milhões de anos e nunca encontraremos um homem como o José. Sorte a minha ser tua amiga.

José, tu és uma pessoa maravilhoooooooooooosa

2 coisas de vocês:

Simo disse...

Carol, que delíííííícia.
Estou aki com os olhos mareados. Sei o que é ter pessoas assim na vida, e espero poder um dia ter essa sorte.
O que não é a amizade, hein!

Priscila disse...

S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L. Mas a culpada das pessoas não te esquecerem é tu. Alguém especial. Aqueles que ficam longe são aqueles que suportam a tua luz. Porque tu sabe como manter aqueles que gostam de ti e que admira bem, bem pertinho. Um beijo E CUIDA DESSE PÉ!!!! EU TÔ MANDANDO!!!! :)